Otoniel Félix, Advogado

Otoniel Félix

Natal (RN)
8seguidores42seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Advogado militante, pós garduado em direito do trabalho, processo do trabalho e direito previdenciário.

Principais áreas de atuação

Direito do Trabalho, 31%

Atuação nas Reclamações trabalhistas - Recursos perante tribunais regionais ou superiores - Espec...

Direito Previdenciário, 31%

Atuação nas ações previdenciárias - cálculos de renda inicial de benefícios, ou cálculos no ramo ...

Direito do Consumidor, 18%

Ações pertinentes ao Direito do consumidor - iniciais e/ou defesas processuais.

Direito Civil, 18%

Atuação em iniciais e/ou defesas processual na área Cívil - Ações possessórias - imobiliárias - R...

Comentários

(137)
Otoniel Félix, Advogado
Otoniel Félix
Comentário · há 8 dias
Em todo o texto, observo que há na verdade uma tentativa de defender a NEFASTA "ideologia de gênero", para tanto, "data venia", o nobre colega se esqueceu dos principais atores nesse cenário, as CRIANÇAS; típico de quem aborda esse é outros assuntos de viés ideológico, colocando em prática a teoria de Antonio Gramsci.
Entretanto, como abordei, se "esqueceu" o nobre colega de mencionar os direitos que as crianças tem nos termos da Constituição Federal e em sua lei especial o ECA (lei 8.069/90) que garante a proteção integral para a criança e adolescente, Pois, fique frisado que as crianças NÃO SÃO PROPRIEDADE DO ESTADO.

Com isso, repudio a ideologia de gênero, pois se sabe que, diferentemente do que propaga, tal teoria tem o objetivo expor a " Teoria da Neutralidade de Gênero", bem como as tese de Judith Butler, que afirma que “o gênero é uma construção cultural; ou seja, ensinar isto para as crianças é deturpar sua vida, só porque alguém deseja que assim o seja, vejo até como crime nos termos do art. 232 do ECA pois, faz com que haja "vexame ou a constrangimento" do infante; as pesquisas que foram citadas são questionáveis, bem como, a deturpação da nossa constituição e leis infra que esse assunto faz, pois, tratam o assunto de forma diversa, e ainda afirmam que nosso ordenamento jurídico é positivista.

Assim, faltou informar que há um choque com os direitos da personalidade da criança, uma vez que, é dever dos PAIS, inclusive, com relação a proteção, educação e transmissão de suas crenças, nos termos do ECA, arts. 3, 4, 22 e seu parágrafo único, pois gozam, de acordo com sua proteção integral, princípio adotado no Estatuto, de direitos e "assegurando-se-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade".

Corrobora o art. 4º onde diz ser "dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, [...], à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. Dito isso, o art. 22 e parágrafo único, vai fazer a interpretação do que seja essa vida" familiar e comunitária ", pois,"Aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e educação dos filhos menores, cabendo-lhes ainda, no interesse destes, a obrigação de cumprir e fazer cumprir as determinações judiciais. Parágrafo único. A mãe e o pai, ou os responsáveis, têm direitos iguais e deveres e responsabilidades compartilhados no cuidado e na educação da criança, devendo ser resguardado o direito de transmissão familiar de suas crenças e culturas, assegurados os direitos da criança estabelecidos nesta Lei".

Nosso Senhor disse:" Mas qualquer que fizer tropeçar um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e se submergisse na profundeza do mar "(MT.18:6).

Nesse sentido, expor às crianças à promiscuidade e devassidão, desvio e as condutas nada saudável, que tal ideologia promove, e por meio da escola, em um pais onde as crianças na maioria das escolas não sabem sequer somar 1+1, pois, tais escolas não se preocupa em ensinar, bem como, querer impregnar nas mentes das crianças de uma forma "sorrateira" a ideia que não há um conceito de família, é querer, com a suposta afirmação de ir contra o preconceito, impor e fazer com que a sociedade aceite o que uma minoria "entende" como correto, e a tentativa de destronar o que de fato é uma família, isso vai de encontro até com o princípio democrático, portanto, o comentário não tem o condão de expor uma tese, vez que não há espaço para isso, mas, para advertir que as crianças tem proteção legal de forma integral, não podendo um grupo específico de pessoas ditar o comportamento delas através de um livro que não tem nada de científico, pelo contrário, é ir contra ciência neurológica principalmente, que saliente, "toda a sociedade" vai bancar tal livro, além do mais quando estamos falando de seres ainda em formação.

Perfis que segue

(42)
Carregando

Seguidores

(8)
Carregando

Tópicos de interesse

(13)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em Natal (RN)

Carregando

ANÚNCIO PATROCINADO

Otoniel Félix

Entrar em contato